Notícias

Ministério da Justiça e Segurança Pública apresenta resultados do combate ao tráfico de drogas no primeiro semestre de 2020

publicado: 26/06/2020 17h08, última modificação: 27/06/2020 13h55
Ministro André Mendonça destacou esforço das forças de segurança federais e estaduais no combate ao crime organizado
FAI_3557.jpg

Brasília, 26/06/2020 – No Dia Internacional de Combate às Drogas (26/06), o Ministério da Justiça e Segurança Pública apresentou um balanço do trabalho realizado pelo governo federal e governos estaduais no combate ao tráfico no primeiro semestre do ano.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, parabenizou as forças de segurança federais e estaduais pelos resultados alcançados. “O grande papel do Ministério é ser facilitador, motivador e criador dos meios mais adequados para os estados atuarem. A importância do trabalho das polícias estaduais e a imprescindível atuação das Secretarias de Segurança Pública dos estados deve ser um reconhecimento permanente na busca da coesão nacional”, afirmou Mendonça.

O ministro reforçou que um dos principais eixos de atuação da pasta é o fortalecimento do Sistema Único de Segurança (Susp). “Não vamos apenas somar forças, queremos multiplicar esforços e ações integradas onde os agentes de segurança pública federal, estadual e o interestadual se conectem”, disse o ministro.

Apreensões e incinerações

As operações da Polícia Federal, no primeiro semestre do ano, resultaram na apreensão de 206 toneladas de maconha, 44 toneladas de cocaína, 66 mil comprimidos de ecstasy e mais de 127 mil unidades de metanfetamina. Além disso, a Polícia Federal apreendeu mais de R$ 24 milhões em bens do tráfico.

 “A Polícia Federal tem se aperfeiçoado no combate e descapitalização do tráfico. A nossa previsão é chegar na quantia de R$ 1 bilhão em bens apreendidos. Nós entendemos que a espinha dorsal dessas organizações criminosas é a questão financeira”, explicou o diretor-geral da PF, Rolando Alexandre.

O trabalho da Polícia Rodoviária Federal nas rodovias brasileiras resultou na apreensão de mais de 284 toneladas de maconha e 14 toneladas de cocaína no primeiro semestre deste ano.

“Com o apoio e orientação estratégica no combate ao crime pela gestão do ministro André Mendonça, observamos um aumento relativo da média mensal se comparado com o mesmo período do ano passado. Um aumento de 400% na apreensão, passando de uma média mensal de 26 toneladas de maconha por mês para 101 toneladas”, reiterou o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Eduardo Aggio.

Além disso, no mesmo período, foram apreendidas mais de 760 toneladas de maconha, 33 toneladas de cocaína, 8 toneladas de pasta base, 3 toneladas de crack e cerca de 4 toneladas de skunk pelas forças de segurança estaduais.


Operações integradas nas fronteiras

“A força dos números apresentados aqui se deve a integração dos estados e de todas as forças policiais, demonstrando a finalidade da Secretaria de Operações Integradas. Não estamos apenas combatendo o tráfico de drogas, mas sim outros tipos de crimes relacionados, como homicídios, crimes contra o patrimônio, violência domésticas, entre outros. Combater o tráfico de droga é reduzir a incidência dos demais crimes”, afirmou o secretário de Operações Integradas, Jeferson Lisbôa, ao falar dos expressivos números do Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas (VIGIA).  

As apreensões nos estados onde o Programa está presente resultaram em prejuízo aos criminosos de cerca de R$ 680 milhões. Nesta sexta-feira (26) foram incineradas 48 toneladas de drogas no Mato Grosso do Sul e no Paraná.

Com atuação de agentes de segurança pública de diferentes instituições que atuam nas fronteiras e divisas, o VIGIA está presente no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Roraima, Rondônia, Amazonas, Acre, Goiás, Tocantins.

R$ 8 milhões arrecadados com a venda de itens apreendidos do tráfico

O secretário Nacional de Políticas sobre Drogas, Luiz Roberto Beggiora, reforçou a importância da cooperação entre as forças policiais. “Esse trabalho integrado é essencial para enfraquecer o tráfico e para investir o recurso arrecadado em programas de prevenção e de combate às drogas. Mais investimentos geram mais apreensões e, consequentemente, mais recursos são devolvidos à sociedade. Se trata de um círculo virtuoso”, afirmou o Beggiora.

Em 2020, já foram arrecadados mais de R$ 8 milhões com a venda de itens apreendidos do tráfico. Neste ano, já foram realizados 20 leilões e a previsão é que ocorram mais 80, totalizando 100 até o final do ano. A previsão é que os leilões aconteçam em todos os estados brasileiros.

A cerimônia contou ainda com a presença do secretário Nacional de Segurança Pública, Carlos Paim; do secretário Nacional de Ensino e Gestão em Segurança Pública, Josélio de Sousa; do secretário Nacional de Justiça, Cláudio Panoeiro; do presidente do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública, Cristiano Sampaio e do vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara, Deputado Federal Sanderson (PSL/RS).