Notícias

MJSP promove Simpósio sobre as vítimas da criminalidade violenta

publicado: 24/10/2019 18h26, última modificação: 29/10/2019 12h27
O evento servirá para subsidiar a construção de políticas públicas
48947491432_27cceae6fe_h.jpg

- Foto: IsaacAmorim/AG.MJ

Brasília, 24/10/2019 – Para subsidiar a construção de políticas públicas de qualidade para assistir as vítimas da criminalidade violenta no país, o Ministério da Justiça e Segurança Pública promoveu, nesta quarta-feira (23), o 1º Simpósio Sobre as Vítimas da Criminalidade Violenta, em Brasília (DF). O encontro foi coordenado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).

48947491432_27cceae6fe_h.jpg

Estiveram presentes na cerimônia de abertura, o diretor adjunto de Políticas de Segurança Pública da Senasp, Ronney Augusto Matsui Araújo, o coordenador-geral de Políticas para os Profissionais de Segurança Pública da Senasp, Allan Quint e o deputado Estadual da Bahia, capitão Alden Jose Lazaro Da Silva, além de juízes, procuradores de justiça, psicólogos, profissionais de segurança pública, professores de universidades e vítimas da criminalidade.

Para o coordenador-geral de Políticas para a Sociedade da Senasp, José Arnon dos Santos Guerra, o simpósio foi idealizado para despertar ideias, a partir da experiência de quem viveu o problema e de quem estuda essas questões. “Nosso objetivo é discutir quais as melhores práticas e sugestões que possam alimentar o início dessa caminhada que vai tratar de uma questão extremamente delicada, onde muitas pessoas não gostam de falar. Esse evento é o marco inicial de políticas públicas focado nas vítimas da criminalidade violenta e muito mais em seus familiares o ”, disse o coordenador.

O diretor adjunto de Políticas de Segurança Pública da Senasp, Ronney Augusto Matsui Araújo, destacou que já existem vários mecanismos existentes que atuam para apoiar as vítimas da criminalidade violenta e o simpósio trará outras boas práticas nesse sentido. “Precisamos criar uma política efetiva que seja integral às vítimas para que possamos mudar o nosso panorama jurídico”, afirmou Matsui.