Notícias

Moro autoriza volta de brasileiros e de outros cidadãos sul-americanos que estavam confinados em cruzeiro

publicado: 03/04/2020 17h36, última modificação: 03/04/2020 17h37
Ministério atuou em conjunto com o Ministério de Relações Exteriores
WhatsApp Image 2020-03-25 at 2.24.42 PM (5).jpeg

Brasília, 03/04/2020 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, autorizou a volta de 41 brasileiros que estavam há mais de 30 dias confinados no cruzeiro “Celebrity Eclipse”, da empresa Royal Caribbean. A operadora do cruzeiro contratou um voo e eles desembarcam no Brasil nesta madrugada.

Para que os passageiros pudessem voltar para casa, houve um grande empenho do Ministério das Relações Exteriores junto a autoridades americanas para que, primeiramente e excepcionalmente, o navio pudesse aportar na cidade de San Diego (EUA) e para que os brasileiros conseguissem desembarcar e seguir para o aeroporto da cidade. O navio partiu de Buenos Aires no dia 1º de março de 2020. Antes de desembarcarem em San Diego, os brasileiros foram submetidos a exames clínicos pelas autoridades sanitárias de San Diego. Mas eles não estavam sozinhos no navio: havia outros 58 passageiros da Bolívia, Peru, Equador, Chile e Uruguai. Desses países, apenas os dois últimos não fecharam fronteiras para os seus nacionais.

E o que fazer se uma portaria do Ministério da Justiça e Segurança Pública havia fechado, na semana passada, as fronteiras para estrangeiros que não tinham como voltar para casa? Foi aí que o ministro Sérgio Moro teve que estabelecer condições para abrir uma exceção na portaria. Além da proibição para o embarque de suspeitos de infecção por coronavírus, Moro exigiu a permanência (quarentena) de todos os estrangeiros em um mesmo hotel, sob supervisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), até que os países autorizem a repatriação. As despesas serão pagas pela Royal Caribbean.